Senado começa a discutir veto a crianças em exposições

Senadores apresentaram uma proposta para impedir a entrada de crianças em exibições artísticas consideradas “inadequadas”. Trata-se da primeira iniciativa legislativa de caráter nacional para criar esse tipo de restrição.

O Projeto de Lei 506/2017 altera o Estatuto da Criança do Adolescente para vedar o acesso de menores a eventos que tenham “nudez como foco”, cenas de sexo explícito ou com animais, façam “apologia à pedofilia”ou ataquem “crenças e credos”.

De acordo com a proposta, os menores não poderão frequentar essas mostras nem mesmo na companhia de seus pais. Na justificativa, o projeto diz não se tratar de censura e que a ideia é “proteger aqueles que dependem do bom julgamento dos adultos”.

A proposta é assinada pelos senadores Magno Malta (PR-ES), José Medeiros (Podemos-MT), Flexa Ribeiro (PSDB-PA), Helio José (Pros-GO), Cássio Cunha Lima (PSDB-PB) e Eduardo Lopes (PRB-RJ), suplente do atual prefeito da cidade do Rio de Janeiro Marcelo Crivella.

Eles justificam a proposta com base em relatos em uma Comissão Parlamentar de Inquérito sobre “abusos sistemáticos na exposição de meninos e meninas a obras de arte de caráter absolutamente inadequado para seu desenvolvimento sadio”.

Criada para investigar denúncias de maus tratos de crianças em creches, a CPI de Maus Tratos de Crianças passou a funcionar como palco para ataques a manifestações artísticas depois da exposição Queermuseu, em Porto Alegre,fechada por pressão de grupos políticos conservadores.

O senador Magno Malta, presidente da CPI, chegou a pedir a condução coercitiva do curador da mostra na capital gaúcha. O Ministério Público gaúcho concluiu, entretanto, que a exposição não fez apologia a nenhum crime. Também esteve na mira da CPI a performance no Museu de Arte Moderna (MAM) em que uma artista apresentou-se nu na presença de crianças.

fonte: veja
Imagem: © Reprodução

Categorias Principais Notícias

Deixei seu Comentário

Seu email não será publicado.